Uma alma que se eleva em consciência, eleva o mundo.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

DESCOBRINDO SUAS VIDAS PASSADAS

Quando começamos a descobrir as lembranças das vidas anteriores, lembramo-nos na maioria das vezes primeiro das emoções contidas na memória, mas não o evento que originou as emoções. Isso se deve ao fato de as lembranças estarem arquivadas de acordo com nossos sentimentos. Podemos vislumbrar uma imagem fugaz ou o fragmento de uma lembrança de vida anterior que fará as emoções associadas virem à tona. A recordação de uma existência pregressa pode ser desencadeada por uma situação atual semelhante à experiência passada, e podemos surpreender-nos reagindo às emoções da memória da vida anterior sem nos lembrarmos dos detalhes da lembrança correspondente. Isso poderá ajudar-nos a compreender situações as quais nossos sentimentos estão em desarmonia com a condição presente. Á medida que começamos a nos lembrar de vidas passadas, podemos ter uma sensação ou um sentimento sobre as lembranças, sem contudo vê-las claramente com a visão mental. Podemos tornar-nos conscientes da ligação de uma vida anterior sem saber exatamente qual é essa ligação. Ou ainda conscientizar-nos de símbolos ou imagens que representam algo que precisamos entender antes que a lembrança total venha à tona. É quase como se nossas recordações possuíssem uma mente própria. Isso se deve em parte ao fato de Beta e Alfa estarem aprendendo a trabalhar juntos harmonicamente para que nossas lembranças possam emergir. No início, nossas vidas passadas poderão parecer um quebra-cabeça com peças que não se encaixam, porque Beta e Alfa apresentam perspectivas totalmente diferentes e distintas a respeito das nossas lembranças. Podemos nos lembrar apenas de fragmentos da mem¢ria que começam a se manifestar através de breves imagens e lampejos de algo que se parece com uma vida passada. Pequenos clarões de consciência surgem na mente provocando-nos o vislumbre de uma lembrança que desaparece no minuto em que conseguimos vê-la claramente, furtando-se ao nosso reconhecimento e compreensão. Quando começamos a divisar imagens das vidas pregressas, elas podem entrar e sair da nossa mente com incrível velocidade. Isso é às vezes um tanto exasperante, sobretudo se de fato desejarmos recordar as existências passadas. Esse fato costuma ocorrer quando Alfa começa a nos oferecer lembranças e Beta se põe a testar nossa sinceridade e nossa paciência. Quando as recordações das suas vidas passadas ficarem oscilando no limite entre vir à tona ou se perderem para sempre no esquecimento, simplesmente relaxe e deixe que elas fluam à superfície. Esse processo se assemelha à sensação que sentimos quando temos uma palavra na ponta da língua mas não conseguimos nos lembrar dela. Se desistimos de tentar e voltarmos a atenção para outro assunto, a palavra salta à nossa mente quando menos esperamos. Isso acontece porque já desistimos com a convicção de que iremos nos lembrar dela mais tarde. Tal fato também se aplica as recordações das vidas passadas. A mente subconsciente não gosta de ser apressada ou pressionada, e pode ser até muito exigente quanto à maneira pela qual procuramos reviver nossas recordações. Até que nos familiarizemos com a forma pela qual nosso subconsciente nos oferece nossas lembranças, e até que saibamos reconhecer a sensação da lembrança de uma vida passada e como ela se parece, as recordações de experiências pregressas poderão parecer-nos não serem realmente recordações de vidas anteriores. É comum, quando as recordações de vidas passadas começam a vir à tona, que ocorram sentimentos e surjam fragmentos de lembranças que não estão claramente associados a qualquer situação da vida atual. Caso nossa mem¢ria tenha sido acionada por uma situação presente, poderemos sentir emoções que não estão relacionadas com essa situação e perceber imagens de recordações de vidas pregressas. No início, você poderá ter dificuldade em relacionar as imagens e os sentimentos das vidas anteriores com uma experiência da sua vida atual. Ao invés de deparar com uma lembrança clara e bem comportada de uma existência pregressa e que se encaixe como uma luva na sua vida de hoje, você poderá se dar conta de que seu subconsciente parece estar tentando ocultar as verdadeiras lembranças.Poderá até pensar secretamente que seu subconsciente deseja sabotar seus esforços de se lembrar das vidas passadas. Isso não é verdade; você apenas sente essa impressão quando suas lembranças custam a aparecer e  percebe imagens incompletas. Seu subconsciente quer mesmo ajudá-lo e o fará, desde que você o permita. A maioria das recordações de vidas anteriores vêm à tona de um modo calmo e discreto, mas algumas são muito intensas e surgem com um impacto emocional que irrompe na consciência. Quando você se lembrar de vivências de uma vida anterior, e divisar e sentir as imagens e as emoções da memória, nenhum sinal específico irá disparar na sua mente para lhe dizer que a lembrança é a recordação de uma vida pregressa. As lembranças das vidas pregressas se fazem reconhecer pela maneira como reagimos a elas. A lembrança de uma existência anterior transmite uma sensação diferente da lembrança da vida atual. Em algum lugar dentro de nós, reconhecemos a recordação de uma vida anterior confirmando-a através dos nossos sentimentos com relação a ela. Quando vivenciamos a lembrança de uma vida anterior, nós a conhecemos e sentimos num nível profundo dentro de nós mesmos. É aqui que entra a confiança nos nossos sentimentos e a crença no conhecimento interior. Os sentimentos são os sinais reveladores da lembrança real de uma vida anterior; eles preparam o caminho para a compreensão e a percepção intuitiva. As lembranças da vida presente parecem em geral mais familiares no início, e conseguimos relacioná-las mais exatamente com os sentimentos correspondentes depois de pensar um pouco no assunto. Alfa nos fornece as imagens e os sentimentos da memória da vida atual, e Beta as faz passar por nós numa ordem lógica e racional. Quanto as lembranças passadas quanto as presentes parecem reais a seu próprio modo, e as emoções vivenciadas com cada uma são igualmente válidas. À medida que nossas lembranças vêm à tona, podemos lembrar e/ou reviver acontecimentos e emoções de vidas anteriores. A profundidade do nosso envolvimento, e quão vividamente vemos e sentimos as imagens e as emoções das nossas lembranças, determinarão se nossas vidas anteriores serão ou não lembradas ou revivenciadas. Durante a lembrança de um evento em vida anterior, as imagens vistas na mente possuem uma qualidade de sonho. Podemos sentir as emoções, mas não sentimos a cena. Quando revivenciamos um evento de vida anterior, nossa consciência se absorve completamente na cena. Sentimos as emoções, e nos envolvemos com os eventos que ocorrem. Ouvimos, vemos, tocamos e sentimos o gosto e o cheiro das visões, dos sons e das circunstâncias à nossa volta. É como se tudo estivesse acontecendo no presente, em vez de no passado. Conforme as suas lembranças começarem a surgir, deixe que se apresentem a seu próprio modo. Não as apresse, não as pressione, não se esforce demais. Isso se fará com que elas se afastem de você. Tenha cuidado com os limites auto-impostos e também com as restrições que você faz às suas lembranças. Não se desencoraje ao esperar revelações espetaculares e obter apenas poucos elementos reconhecíveis e poucas pistas para começar. Suas recordações de vidas anteriores irão despertar naturalmente, da forma mais adequada. Retraindo-se para dentro de si mesmo e examinando sua mente subconsciente, você irá descobrir a porta de entrada para suas vidas pregressas. A natureza da mente subconsciente é suave e tranqüila. A maioria das lembranças das vidas passadas aparecem de um modo pacífico, mostrando-nos coisas das quais já temos consciência, mas que ainda não relacionamos com o nosso passado remoto. No interior da nossa mente subconsciente encontram-se as recordações da nossa alma. A forma de começar a liberar as lembranças das vidas anteriores é relaxar totalmente. Isso permite que nos sintonizemos com a mente subconsciente, o que, por sua vez, permite que ela entre em sintonia com as recordações. Quando permitimos que uma sensação de relaxamento tome o lugar da tensão, todos os músculos de nosso corpo começam a relaxar. Quando nossa mente consciente se torna calma e tranqüila, o subconsciente fica mais ativo e entramos no nível Alfa, onde ficamos abertos e receptivos às recordações de vidas passadas.

2 comentários:

  1. Eu me lembro de algumas de minhas encarnações...é muito natural pra mim...em algumas situações mesmo tendo na minha família espíritas estudiosos , eles duvidam dessas lembranças...mesmo eu tendo detalhes destas, psicografei uma de minhas encarnações num livro que publiquei em um de meus blogs...e mesmo assim ainda duvidam de minhas visões...acredito que tudo tem um propósito...não me impressiono as minhas lembranças, faço delas uma grande lição...e independente se as pessoas com quem convivo acreditam ou não...tudo bem...me comuniquei com meu pai de algumas de minhas encarnações o que confirma todas as minhas lembranças...e sinto profundo amor por ele, bem diferente do que sinto pelo meu pai hoje, nesta encarnação.enfim...as minhas experiências astrais me dão certeza de que estou no caminho certo e isso é o que me importa...

    ResponderExcluir
  2. Veja o meu caso nesse endereço!
    Não aguento mais! O que poderia dizer!
    Estou desistindo! Cansada mesmo!
    Poderia dizer algo!Preciso de terapia?


    http://reminiscenciasvidaspassadas.blogspot.com.br/2012/07/relato-verdadeiro-de-lembrancas.html

    ResponderExcluir