Uma alma que se eleva em consciência, eleva o mundo.

domingo, 17 de abril de 2011

SÍNDROME DE DOWN

A SÍNDROME DE DOWN é uma doença que já existe no momento que o paciente nasce. Caracteriza-se por comprometimento mental e sinais físicos como: olhos oblíquos, nariz chato, cabeça pequena e mãos chatas e grossas. As pessoas portadoras da SD podem ter distúrbios cardíacos, deficiência na visão e problemas respiratórios. A maioria dos especialistas recomenda que portadores da SD sejam tratados em seu próprio lar. Assim, as crianças poderão freqüentar classes especiais em escolas públicas, podendo aprender a executar as mais diversas tarefas. A SD não é hereditária. Muito raramente se encontram dois casos na mesma família, a não ser que se trate de gêmeos do mesmo sexo. Mas é de origem cromossômica. Os núcleos das células dos portadores de SD, em vez de 46, encerram 47, mais um pequeno cromossomo extraordinário. A medicina ainda ignora a causa dessa anomalia cromossômica, à qual se dá o nome de translocação (perda de um segmento de um cromossomo, que se prende a um outro cromossomo que não é seu homólogo). Sabe-se que a Síndrome de Down é mais comum quando a idade materna excede os 40 anos. Não se tem conhecimento que um homem com SD tenha gerado um filho. O mesmo, entretanto, não ocorre com as mulheres, uma vez que são conhecidos casos de mães com SD e normais na proporção 1:1. Todas as pessoas estão sujeitas a ter um filho com Síndrome de Down, independente da raça ou condição sócio-econômica. No Brasil, acredita-se que ocorra um caso em cada 600 nascimentos, isso quer dizer que nascem cerca de 8 mil bebês com Síndrome de Down por ano.
Diferente do que muitas pessoas pensam, a Síndrome de Down não é uma doença, mas sim uma alteração genética que ocorre por ocasião da formação do bebê, no início da gravidez.
O que é uma Alteração Genética?
Todos os seres humanos são formados por células. Essas células possuem em sua parte central um conjunto de pequeninas estruturas que determinam as características de cada um, como: cor de cabelo, cor da pele, altura etc.. Essas estruturas são denominadas cromossomos. O número de cromossomos presente nas células de uma pessoa é 46 (23 do pai e 23 da mãe), e estes se dispõem em pares, formando 23 pares. No caso da Síndrome de Down, ocorre um erro na distribuição e, ao invés de 46, as células recebem 47 cromossomos. O elemento extra fica unido ao par número 21. Daí também, o nome de Trissomia do 21. Ela foi identificada pela primeira vez pelo geneticista francês Jérôme Lejeune em 1958.
Ainda não se conhece a causa dessa alteração genética, sabe-se que não existe responsabilidade do pai ou da mãe para que ela ocorra. Sabe-se também que problemas ocorridos durante a gravidez como fortes emoções, quedas, uso de medicamentos ou drogas não são causadores da Síndrome de Down, pois esta já está presente logo na união do espermatozóide (célula do pai) com o óvulo (célula da mãe).
Quais as características mais comuns nas pessoas com Síndrome de Down?
Os indivíduos com Síndrome de Down apresentam certos traços típicos, como: cabelo liso e fino, olhos com linha ascendente e dobras da pele nos cantos internos (semelhantes aos orientais), nariz pequeno e um pouco "achatado", rosto redondo, orelhas pequenas, baixa estatura, pescoço curto e grosso, flacidez muscular, mãos pequenas com dedos curtos, prega palmar única.
A partir destas características é que o médico levanta a hipótese de que o bebê tenha Síndrome de Down, e pede o exame do cariótipo (estudo de cromossomos) que confirma ou não a Síndrome.
A criança com Síndrome de Down tem desenvolvimento mais lento do que as outras crianças. Isto não pode ser determinado ao nascimento. Precisa de um trabalho de estimulação desde que nasce para poder desenvolver todo seu potencial.

Aspectos Cármicos, Espirituais e Reencarnatórios

Segundo os Amigos da Espiritualidade, ao falar da Síndrome de Down, devemos  avaliar a tendência de alguns espíritos à fixação em determinados fatos do seu passado, ocasionando uma curiosa dissociação de níveis conscienciais. Uma situação de vida pregressa que lhe seja atraente chama a sua atenção e, toda a energia deste nível de consciência, volta-se para esta vivência. Assim, por afinidade, outros níveis se fixam nesta mesma vivência, formando o que a Espiritualidade convencionou chamar de grupo fechado de níveis conscienciais. Este "fenômeno" pode ocorrer em uma encarnação e se perpetuar por tantas outras, sendo agravado pela formação de vários grupos distintos. Com isso, perde-se gradativamente, a capacidade de vivenciar as conexões entre as diversas vidas que temos, E o espírito portador desta anomalia, passa a ver estas existências como se fossem distintas uma da outra e vividas por espíritos diferentes. Sabe da existência de todos, mas não consegue vê-los como partes de um único ser e, portanto, os avalia como "vizinhos" (têrmo usado por um nível de consciência de portador de SD durante sintonia mediúnica para desdobramento múltiplo), com tom de pele, vestimentas e comportamentos diferentes uns dos outros. Como todos fomos criados "à imagem e semelhança de Deus", somos criaturas em busca da harmonia total. Ao fugir desse destino traçado, geramos carmas, os quais precisam ser resgatados e transmutados.
Aqueles espíritos que por diversas encarnações formatizaram os "grupos fechados de níveis", necessitarão de um período para reorganizar suas emoções e, desta forma, tornarem a ter seus corpos alinhados e saudáveis.No momento da fecundação, este espírito atrairá para sua formação o cromossomo excedente, gerador da SD. Isso porque seu corpo astral já estava lesado e, portanto, daria origem a um corpo físico comprometido em vários aspectos. Além disso, verifica-se o hemisfério cerebral esquerdo escurecido e com mecanismo de curto-circuito no cérebro etérico dos portadores da SD. Segundo outros pesquisadores, nos casos de SD, existem também distúrbios nas regiões etéricas das glândulas pituitárias, tireóide e timo. A região cerebral mais comprometida é o cerebelo e, em seguida, o mesencéfalo (onde estão os centros que controlam os reflexos visuais e auditivos) e a ponte (por onde passam fibras que se originam no cérebro e se dirigem ao cerebelo e vice-versa). Percebe-se, pela vidência, no campo cerebral de um portador da SD, no espaço correspondente à ponte, a existência de finos "fios de energia" que parecem mal conectados, refletindo em comprometimento mental no campo físico, uma vez que o correto seria a junção destes fios num "cabo"energético único. Já como uma das técnicas terapêuticas utilizadas no tratamento da SD, vemos a junção dos já mencionados fios de energia, através da somatória das seguintes energias:
- fluxo energético vindo da flor de lótus armazenada em pirâmide azul (essa flor e a energia da pirâmide produzem o efeito do cabo ou ponte);
- a energia dos florais responsáveis pela auto-aceitação;
- a energia do sol;
- ectoplasma do médium encarnado auxiliar e a energia do próprio paciente.


Nenhum comentário:

Postar um comentário