Uma alma que se eleva em consciência, eleva o mundo.

domingo, 1 de janeiro de 2012

O CINTURÃO DE FÓTONS, 2012 E AS PLÊIADES

Nota Cura e Ascensão: Note na figura acima onde está assinalado a circunferência em vermelho representa os anos de escuridão em que o Planeta Terra está orbitando. Em 21 de dezembro de 2012 a terra já estará completamente no cinturão de fótons, dando inicio a uma nova Era de Luz. Temos então, um pouco mais de um ano para a transmutação e purificação e ativação do nosso corpo de luz para estar na frequência do Cinturão de Fótons.
O nosso Sol é a oitava estrela da Constelação das PLEIÂDES  (Também conhecida como Aglomerado Estelar M-45) - localizada a aproximadamente 28 graus da constelação de Touro - e leva 25.920 anos para completar uma órbita ao redor de Alcyone, o Sol Central local do nosso Sistema Solar que fica nas Plêiades, movimento terrestre também conhecido como
Precessão dos Equinócios  (mudança do começo das estações a cada 2.160 anos, a partir de 2.013 a PRIMAVERA começa em 21 de AGOSTO para nós do hemisfério sul) .
A divisão desta órbita por doze resulta em 2.160 anos, tempo de duração de cada era "astronômica"  (Era de Peixes se iniciou em 148 a.C., a de Áries 2.308 a.C., etc.).

Descobriu-se também que Alcyone , o Sol Central das Plêiades, tem à sua volta um gigantesco anel, ou disco de radiação, cuja fonte é o SOL (a divindade criadora do nosso universo local)  CENTRAL da nossa própria galáxia, em posição transversal ao plano das órbitas de seus sistemas  (incluindo o nosso), que foi chamado de Cinturão de Fótons.       Um fóton consiste na decomposição ou divisão do elétron, sendo a mais ínfima partícula de energia eletromagnética, algo de que ainda temos pouco conhecimento científico  na Terra.

O nosso sistema solar orbita o Sol Central das Plêiades, Alcyone  (estrela maior e mais brilhante na foto)  dando uma volta completa  (um ANO SOLAR)  a cada 25.920 anos, sendo que a data de 21 de dezembro de 2012,  
FINAL do Calendário MAIA marca o final de um desses anos solares.
Em astronomia também é conhecida como o Aglomerado estelar aberto M-45, as Sete Irmãs, a Constelação das Plêiades, com os sóis / estrelas principais de Alcyone, Maia, Electra, Taygeta, Atlas, Pleyone, Celaeno, Asterope e Merope.
Detectado pela primeira vez em 1961, através de satélites, a descoberta do cinturão de fótons marca o início de uma expansão de consciência para a parcela da humanidade em evolução, para além da terceira dimensão.

A ida do homem à Lua nos anos 60 simbolizou o início desta expansão, já que antes das viagens interplanetárias era impossível perceber o cinturão.

A cada dez mil anos o Sistema Solar penetra por 2.160 anos no anel de fótons, ficando exposto à energia de Alcyone, carregada pela energia do sol central da galáxia..

A última vez que a Terra passou por ele foi durante a "Era de Leão", há cerca de doze mil anos. Na Era de Aquário, que está se iniciando, ficaremos outros 2.160 anos dentro deste disco de radiação.

Então todas as moléculas e átomos de nosso planeta passam por uma transformação sob a influência dos fótons, precisando se readaptar a novos parâmetros. A excitação molecular cria um tipo de luz constante, permanente, que não é quente, uma luz sem temperatura, que não produz sombra ou escuridão.

Talvez por isso os hinduístas chamem de
"Era da Luz" os tempos que estão por vir.

Desde Agosto de 1987, o Sistema Solar vem entrando gradativamente no cinturão de fótons e a partir de 1998 a sua metade já estará dentro dele, movimento que se completa em 21 de dezembro de 2012,
quando então todo o sistema solar estará imerso no Cinturão de Fótons  (Luz)  durante os próximos 2.160 anos, dando inicio a uma nova Era de Luz.A Terra começou a penetrá-lo em 1987 e está gradativamente avançando, até 2.012, quando vai estar totalmente imersa em sua luz e sob o efeito de sua enorme energia.

De acordo com a cosmologia maia e azteca e de outras culturas milenares, 2.012 também é o final de um ciclo de 104 mil anos, composto de quatro grandes ciclos maias e de quatro grandes eras astecas e também é um final de ciclo de 224 milhões de anos, em que toda a Galáxia em que residimos dá uma volta completa sobre seu próprio eixo, quando completa UM ANO GALÁCTICO. 

Por Freidrich Wilhelm Bessel, Paul Otto Hesse, José Comas Solá e Edmund Halley, depois de estudos e cálculos sobre o cinturão de fótons.

Nenhum comentário:

Postar um comentário