Uma alma que se eleva em consciência, eleva o mundo.

segunda-feira, 11 de março de 2013

RECOMPENSAS FÍSICAS E ESPIRITUAIS DO JEJUM

São maravilhosos os resultados físicos e as experiências espirituais do jejum.

O espírito interior desliga-se das exigências do corpo, à medida que o próprio corpo vai se livrando dos hábitos grosseiros.

Acabo de passar o trigésimo dia de regime e jejum (30 dias), e me parece tão natural como se eu nunca houvesse me alimentado. Os que estiverem em condições deveriam fazer um jejum de três dias; se possível, um mais prolongado. Começariam a descobrir que podem viver sem alimento.

Mal-estar ou dores no corpo indicam que há algo errado em seu funcionamento; reparos são necessários. Considere o zelo com que mantém seu carro limpo e em bom estado. Muito mais complexo do que qualquer automóvel é o corpo humano, e o Senhor deseja que você, embora dependendo mais D'Ele, também mantenha o corpo limpo e em bom funcionamento. O segredo da boa saúde não está só nas substâncias químicas; é preciso confiar ainda mais na energia interna de Deus.

A força vital em nossos corpos é, na verdade, a fonte da vida. É um poder consciente: criador dos órgãos e também provedor de sua vitalidade. Em geral, a força vital é continuamente fortalecida pelo alimento e pelo poder mental, todavia, se houver sido erroneamente usada, desiste e recusa-se a continuar trabalhando.

Por exemplo: seu poder pode diminuir nos olhos, e então você não conseguirá enxergar bem. Nenhum alimento dá vigor, nenhuma mudança de ar fortifica e nada pode restaurar a energia do corpo, quando sua força vital começa a diminuir.

O jejum dá repouso aos órgãos sobrecarregados, á maquina corporal, e também a própria força vital, aliviando-a do trabalho excessivo.

Quando você desobriga a força vital de depender de fontes externas para existir - comida, água, oxigênio, luz solar - ela se torna auto-suficiente, independente.

Comer demais, 365 dias por ano, gera uma grande variedade de doenças. Uma rotina inalterável nas refeições, quer o organismo realmente necessite alimento, quer não, é também uma maldição para o corpo. Quanto mais você se concentrar no paladar, mais enfermidades terá.

Está certo saborear a comida, mas ser seu escravo é arruinar a sua vida. Por que deixar que a natureza o prejudique? A natureza não pode puni-lo, se você não for apegado ao corpo nem escravizado pelo alimento. Você precisa reconhecer que é a força vital que sustenta o corpo.

Sem ser fanático, dê maior ênfase à mente, visando tornar seu poder cada vez mais confiável. Se insistir em torná-la escrava do corpo, a mente se vingará. Renunciará ao poder que tem, fazendo com que você passe a depender de alguém ou de algo para ajudá-lo.

Nenhum médico e nenhum remédio adiantarão, se a mente do paciente estiver fraca, ao ponto de a doença se tornar crônica. Três quartos da cura dependem da mente. Na Índia, ensinamos a dominar o corpo para que se possa dispor de maior força mental.

Quem está sempre recorrendo a meios físicos para garantir saúde e cura, sempre dependerá deles. O poder mental é superior. Devemos gradualmente aprender a usar mais a mente. Agindo assim, compreenderemos que é um instrumento magnífico.

O que você ordenar, a mente fará. Foi o que vi em minha própria vida !

Certo dia, quando eu fazia uma palestra em Milwaukee USA, fazia um calor terrível; o suor escorria pelo meu rosto e eu não conseguia achar o lenço. Por um momento, não soube o que fazer. Então, focalizei a consciência no centro crístico e, interiormente, afirmei: "Senhor, meu corpo está frio". Imediatamente todo o suor desapareceu e meu corpo esfriou de verdade! Portanto, é bom tentar depender mais da mente. Porém não se pode negar totalmente o corpo; se o fizéssemos, não poderíamos pensar, comer ou nos movimentar.

Há quem se interessa pela supremacia da mente sobre o corpo só para garantir a saúde.

A saúde, porém, não é o objetivo da vida. A comunhão com Deus é o objetivo da vida.

Você pode sentir-se bem por algum tempo, mas chega uma hora em que tudo falha. Quem o ajudará, então? Deus. O jejum é um dos grandes meios para aproximar-se de Deus: liberta a força vital da escravidão ao alimento, mostrando que é Deus quem realmente sustenta a vida no corpo.

Entretanto, assim que a mente pensa: "comida", a tentação de satã desperta o desejo de comer. Certa vez na Índia, quando era pequeno, estava resfriado e quis comer tamarindo, considerado muito ruim para resfriados.

Minha irmã desaprovou energicamente o desejo, mas como insisti muito, trouxe, de má vontade, uma fruta. Peguei um pedaço, mastiguei-o e cuspi-o. Sem engolir o tamarindo, satisfiz a vontade de sentir seu gosto. Dado que ser humano em o hábito da gula com demasiada freqüência, é uma desventura que Deus não nos tenha dado um corpo que permitisse desfrutar o sentido do paladar, fazendo com que os alimentos prejudiciais ou excessos perigosos se desviassem dos órgãos de digestão e assimilação!

Autocontrole - O Caminho mais sensato para saúde e a felicidade

A verdade é que autocontrole é o único caminho para gozar de saúde e felicidade, além de ser o mais sensato. Ser senhor de si mesmo e não ser dominado pelos sentidos é uma das maiores bênçãos que se pode ter. Se há sobrecarga de eletricidade em uma fiação, ela se queima. E toda vez que você sobrecarrega o aparelho digestivo com comida demais, a força vital se esgota. Quando se evita o excesso de comida e se jejua, a força vital descansa e se recarrega.

Se o carro não funciona bem, você o leva a uma oficina. Ele volta a funcionar por algum tempo, mas logo outra coisa apresenta defeito e você manda o carro de volta para o conserto. Deve-se fazer o mesmo com o corpo. Os efeitos físicos do jejum são notáveis.

Um jejum de três dias com suco de laranja recuperará o corpo temporariamente, mas um jejum prolongado proporcionará uma revisão completa.

Seu corpo vai se sentir forte como o aço. Contudo, se quiser um conserto permanente, deverá também sempre observar o alimento que você ingere, bem como a quantidade ingerida.

CONHEÇA O MODO CORRETO DE JEJUAR

Devemos saber como jejuar. É por isso que precisamos supervisão adequada para um jejum superior a três dias.

O primeiro jejum que fazemos não deve ser longo, pois nos sentiremos fracos. Um dia de jejum de frutas, semanalmente, ou um jejum de três dias com suco de laranja, mensalmente, são bons meios para habituar-se a jejuar.

Quem jejua deve estar mentalmente preparado para lidar com pessoas que logo começarão a se compadecer e dizer que ficará doente e morrerá se não se alimentar. É verdade que, em um jejum prolongado, você poderá sentir-se fraco nos primeiros dias, porque a força vital acostumou-se a depender do alimento.

Mas gradualmente, com o passar dos dias, você não sentirá mais fraqueza. Sua força vital e seu espírito desligam-se do alimento. Você percebe que o corpo é sustentado unicamente pela força vital.

Conheço o segredo de jejuar e não perder peso. Estando sob o controle consciente, a força vital pode ser usada para perder ou conservar o peso normal do corpo.

De um modo ou do outro, é eficaz. Aplicando esse princípio, a temperatura normal do corpo não cai, pouco importando a duração do jejum. Retirando energia do bulbo radiquiano, a "boca de Deus",* a força vital começa a confiar cada vez mais em seu poder regenerador inato, em vez de depender de fontes externas.

Seres humanos em perfeito estado de animação suspensa podem ficar enterrados por cinco mil anos ou por toda a eternidade, permanecendo vivos. A vida é eterna e não depende de respiração, de alimento, de água ou de luz solar. Lembre-se sempre de que você é o Espírito Imperecível. É assim que deve viver.

Nossa consciência sobrevive á morte, mas o homem comum perde o senso de continuidade e pensa que está morto. Todos morreremos um dia; assim, não adianta ter medo da morte. Você não se sente angustiado ante a perspectiva de perder a consciência do corpo ao dormir: você aceita o sono, aguardando-o como um estado de liberdade.

Assim é a morte: um estado de repouso uma aposentadoria desta vida. Não há nada a temer. Quando a morte chegar, ria-se dela. A morte é apenas uma experiência, por meio da qual você está destinado a aprender uma grande lição: a de que não pode morrer. Por que esperar pela morte se pode perceber isso agora? A primeira lição que você precisa aprender é a de que a vida não depende do alimento. Com o jejum, você pode prová-lo para você mesmo.

Funcionar bem em todas as circunstâncias

Todos deveriam desenvolver o poder mental, para poder funcionar bem em todas as circunstâncias - dormindo ou não, comendo ou não, descansando ou não. A regularidade, é admirável e necessária; precisamos ter o hábito da regularidade, para obedecer às leis de Deus. É errado, porém sentir-se mal por causa de um leve desvio desse hábito.

Todos os hábitos fundamentais de uma criança formam-se entre 3 e 7 anos de idade. Um bom ambiente ajudará a orientar seu desenvolvimento, mas é preciso um treinamento especial para mudar (se for o caso) as tendências predominantes de uma criança.

Em minha escola de Ranchi, na Índia, eu dava aos meninos um treinamento físico rigoroso. Eles jejuavam constantemente, dormiam sobre cobertores no chão e nunca usavam travesseiros. Às vezes, meditavam durante horas.

Ajudar as crianças a libertarem-se da tirania do corpo pela disciplina rígida, é conceder-lhes uma bênção para o resto da vida. Um dos alunos meditava doze horas, sem piscar os olhos. Se você tivesse esse equilíbrio, seria muito mais feliz! Teria muito mais paz! O melhor treinamento é a disciplina cientifica e equilibrada do corpo, da mente e do espírito. E nela está o núcleo do jejum.

A ciência metafísica por trás do jejum

Existe uma ciência metafísica notável por trás do jejum. Jesus lembrou-nos esta verdade, quando disse: "Nem só de pão viverá o homem (...)." Duas coisas nos mantêm presos à terra: alento e alimento. Enquanto dorme, porém, você está em paz, inconsciente da necessidade de respirar ou de alimentar-se; seu espírito está desligado da consciência do corpo.

O jejum eleva a mente da mesma maneira. Por meio do jejum, deixe que a mente dependa de seu próprio poder. Quando esse poder se manifesta, a força vital do corpo é cada vez mais reforçada pela energia interna eu flui continuamente para o cérebro e para a coluna vertebral, proveniente da energia cósmica que rodeia o corpo e que entra pelo bulbo radiquiano.

Tornando-se independente de fontes físicas externas para o sustento corporal, a força vital constata que está sendo sustentada internamente, e indaga-se como isso acontece. A mente então diz:

"Os sólidos de que o corpo dependia não passam de densas condensações de energia. Você é energia pura. E é consciência pura", Então seja qual for a ordem que a mente envia à consciência de força vital, esta obedecerá fielmente.

Tudo pode ser feito pelo poder mental. Eis por que Jesus pôde transformar pedras em pão. Portanto, veja como é injusto, para a mente e para a onipotente força vital em seu interior, afirmar que não pode viver sem alimento. Torne sua vida e seu corpo impermeáveis ao sofrimento. Vença a você mesmo. No jejum prolongado, perceberá que tudo é mente.

Toda força e todo objeto no universo são produtos da Mente Divina, assim como todas as coisas que percebe em sonho são criações de sua própria mente. Também no plano consciente, se a mente criar o pensamento de que se enfraquecerá por causa do jejum, ele se debilitará; ou, se você tem jejuado e momentaneamente pensar que isto o está enfraquecendo, o corpo realmente se sentirá fraco.

Entretanto, se decidir que o corpo é forte, não sentirá qualquer fraqueza; ao contrário, sentirá grande vigor. A maioria das pessoas desconhece isso porque nunca experimentou.

A mente não revelará seus milagres enquanto você não a fizer trabalhar. E não trabalhará enquanto você continuar a depender cada vez mais de coisas materiais.

É por isso que suas maravilhas se escondem da visão comum. Quando aprender, porém, a depender da mente, por meio do jejum, ela funcionará em tudo, vencendo a doença, criando prosperidade ou realizando a suprema meta da vida - encontrar Deus.

DO LIVRO - ETERNA BUSCA DO HOMEM - PARAMAHANSA YOGANANDA



JESUS ENSINOU A IMPORTÂNCIA DA ORAÇÃO E DO JEJUM

O Livro de Mateus registra:

Quando Jesus e seus discípulos chegaram à multidão, então veio a Jesus um certo homem, ajoelhando-se diante dele e dizendo:

"Senhor, tem misericórdia de meu filho; pois ele é um lunático e dolorosamente atormentado. De tempos em tempos ele cai no fogo e várias vezes na água. E eu o trouxe aos vossos discípulos e eles não o puderam curar.”

Jesus exclamou: "Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei convosco? Até quando vos darei suporte? Trazei-me aqui o menino. E Jesus repreendeu o demônio, e este saiu do menino; e, desde àquela hora, ficou o menino curado.”

Então, os discípulos, aproximando-se de Jesus, perguntaram em particular:

"Por que motivo não pudemos nós expulsá-lo?"

E ele lhes respondeu:

"Por causa da pequenez da vossa fé. Pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: "Passa daqui para acolá, e ele passará." Nada vos será impossível. Mas esta casta não se expele senão por meio de oração e do jejum."

Nenhum comentário:

Postar um comentário